Friday, November 23, 2007

Kansas - Missouri

Não sei se muitos aqui sabem, mas eu estudei no Kansas e tenho uma bandeira do estado na parede do meu quarto. O texto é grande, mas vale a pena ser lido.



Por KEVIN BUTTERFIELD



A maioria das grandes rivalidades nos esportes emergem de momentos memoráveis no campo, batalhas entre treinadores ou de recrutamento, mas o jogo anual de futebol americano entre Kansas Jayhawks e Missouri Tigers, que será jogado amanha a noite em Kansas City, Mo, terá uma importância incomum. Uma animosidade mútua nascida de um fato na história norte - americana.

Os dois programas que são conhecidos por não terem grandes times, Kansas (11-0, 7-0) e Missouri (10-1, 6-1) estão lutando por uma vaga no jogo do título da Big 12 na próxima semana e, em seguida, uma possível vaga no jogo do título do Bowl Championship Series. Kansas é No. 2 na classificação do BCS, Missouri é quarto.

Mas antes de haver times de futebol, havia ódio e sangue ao longo da fronteira entre o Missouri e Kansas. De 1854 até o início da Guerra Civil em 1861, "Kansas Sangrando" estava no meio da crise da escravidão dos Estados Unidos . Quase 200 pessoas morreram no que foi ela própria uma guerra civil.

Muitos no Missouri, um estado escravista, não iriam permitir que o recém criado estado do Kansas proibisse a escravidão sem uma luta. Eles atravessavam a fronteira, primeiro para votar e, em seguida, para saquear, queimar e matar para determinar o destino de Kansas.

Em 1855, Missourians atravessavam a fronteira em massa para votar nas primeiras eleições Kansas, e 6000 votos foram expressos de alguma forma por uma população de 2905 para eleger um governo pro escravidão. A oposição da Nova Inglaterra à escravidão enviou aos colonos dinheiro e armas para o movimento anti escravidão. Amos Lawrence, o magnata das industrias têxteis da Nova Inglaterra cujo nome foi dado à cidade em que a Universidade de Kansas se situa enviou centenas de fuzis por navio para ajudar na luta contra os "briguentos da fronteira" do Missouri e dos colonos pro escravidão do Kansas.

Não demorou muito para começar a violência. Em 21 de Maio de 1856, companheiros de Lawrence foram destruídos quando Missourians marcharam sobre a cidade com cinco canhões. Um dia mais tarde, o senador Charles Sumner de Massachusetts foi espancado quase até à morte no chão Senado dos Estados Unidos da América por um congressista sulista perturbado pelo discurso de Sumner a respeito do "O Crime Contra Kansas." Uma semana depois, John Brown e vários abolicionistas destrincharam até a morte cindo Kansans pró escravidão com suas espadas.

O pais estava assistindo, e o conflito logo se transformou em uma guerra. Durante grande parte do verão e outono de 1856, exércitos de Missourians e Kansans marcharam pelo leste do Kansas, e se enfrentaram em batalhas como Black Jack e Osawatomie que atraiam os olhares da nação. Dezenas morreram nos combates.

Um dos grandes paradoxos do conflito Missouri - Kansas foi o quão pouco o seu resultado era realmente importante. Era uma briga local entre facções cujas vitórias e derrotas eram muito menos importante do que a guerra nacional de propaganda, um circo da mídia repleto de heróis, vilões e conspirações. A imagem do "Kansas Sangrando" cativava uma nação insegura quanto ao seu próprio futuro. Era uma imagem que iria ajudar a colocar Abraham Lincoln na Casa Branca, e que iria ajudar a mobilizar um povo para fazer a guerra.

Uma paz relativa foi restabelecida no Kansas até o início de 1857. Mas quando a Guerra Civil eclodiu em 1861, no Kansas muitos procuraram vingança, o envio de regimentos para o Missouri para pilhar e para libertar escravos para colocar para baixo a rebelião. O mais famoso grupo se chamava os Jayhawkers, um nome que vinha do mascote do Kansas, um azul e vermelho Jayhawk. A guerrilha confederada de William Quantrill reagiu, trazendo uma força de Missouri para destruir Lawrence, em 1863, e mais de 150 moradores foram mortos. A animosidade não mostrava sinais que iria acabar.

A próxima geração encontrou outros meios de resolver qualquer problema persistente. Em 1891, cerca de 3000 pessoas assistiram ao primeiro jogo Missouri - Kansas em Exposition Park, em Kansas City. Em 1896, o estudante de Missouri John Burnham escreveu no anuário da universidade que "Missouri e Kansas são rivais em tantas coisas que cada um preferiria derrotar o outro do que ganhar vitórias durante todo o resto do mundo."

Este ano, o vencedor pode ter ambos. O vencedor de amanha poderá ser em breve ser o campeão nacional. A série está empatada com 53 vitórias para cada e 9 empates em 115 jogos disputados.

2 comments:

Julio Queiroz said...

Grande rivalry.
Um jogador de um dos times, não lembro quem, foi perguntado se a rivalidade deles era como a de OSU e Michigan, mais classica, ou se era mais ódio como Florida vs Georgia. Ele respondeu que tava em algum lugar no meio. Acho que tá mais pra ódio.

Raphael "Polamalu" said...

Bacana demais essa reportagem.
Estou começando a acompanhar NCAA agora e nunca iria imaginar essa rivalidade toda.
Com certeza será um grande jogo, com umas pitadinhas de ódio!hehehe

Mácio, você tem esse espírito de "vingança" contra Missouri?!hahahahaha
Zueira!

Tô acompanhando LSU e ARKANSAS aqui, McFadden jogando muito, mas eu acho que LSU leva!


Designer Ricardo Galache